Cuidados com o paciente em casa

por

 

Por diversos fatores ao tratamento do paciente em casa é uma opção ao internamento hospitalar, nesses casos é indispensável que se tenha o acompanhamento da equipe multidisciplinar e a estrutura física adequada para atender a todas as necessidades que o paciente demanda.

A equipe que acompanha o paciente é formada por vários profissionais sendo o cuidador, enfermeira e fisioterapeuta aqueles que mais frequentemente estão presentes, esses profissionais auxiliam os cuidados com a higiene pessoal, a rotina do banho, administração de fármacos, a prevenção de infecções e complicações às quais pacientes acamados estão predispostos tais como o aparecimento de úlceras de pressão, pneumonias entre outras, inchaço nas pernas.

Entre os aspectos que merecem atenção especial estão:

  1. Prevenção de úlceras
  2. Prevenção de problemas respiratórios;
  3. Prevenção de inchaço e TVP, trombose venosa profunda;

O paciente acamado especialmente aqueles com grau reduzido de consciência, está altamente vulnerável ao aparecimento das escaras ou úlceras de pressão, essas feridas são temidas pela equipe médica pela dificuldade no tratamento e a solução do problema, essas feridas são ocasionadas pela pressão que a pele sofre especialmente em áreas com estruturas ósseas mais salientes, como tornozelos, cotovelos, quadril e principalmente na região do sacro, próximo as nádegas, quando a pessoa permanece na mesma posição por longos períodos ocorre a redução na irrigação sanguínea causando o inicio do ciclo de lesão, outros fatores que contribuim para o aparecimento da úlcera de pressão são a umidade ocasionada por urina e o apoio de regiões do corpo sobre dobras de lençol ou cobertores por isso é fundamental alguns cuidados tais como:

  • Mudar o paciente de posição a cada duas horas;
  • Utilizar colchões macios adequados ao peso do paciente, o colchão hospitalar possui níveis de densidade diferentes adequados ao peso de cada paciente. O colchão hospitalar de densida 28 é mais indicado para pessoas com até 90 kg, acima deste peso o melhor é o colchão de densidade 33;
  • Utilizar sobre o colchão outro colchão caixa de ovo (figura 1)
  • Ou ainda utilizar o colchão pneumático (figura 1.1), este é um colchão caixa de ovo acoplado a um bomba que faz o ar circular de pelo colchão proporcionando uma movimentação suave do colchão, distribuindo a pressão de forma mais eficiente;
Figura 1 – Colchão caixa de ovo

 

Figura 1.1 – Colchão pneumático sobre a caa hospitalar

 

  • Manter a hidratação com creme barreira, óleo de girassol, produtos que diminuem a fricção da pele e mantém a elasticidade;
  • Evitar a umidade, secar bem a pele;
  • Trocar fraldas com frequência, evitando a umidade que também favorece o aparecimento das úlceras de pressão;
  • Deixar a forração de cama esticada sem dobras que possam pressionar a pele. Quando o paciente fica com alguma região do corpo apoiada sobre dobras de lençol ou cobertor esse local sofre uma pressão maior dificultanondo a irrigação sanguínea e procando a lesão da pele;
  • Estimular, auxiliar na movimentação do corpo, de acordo com a capacidade de cada paciente, evitando o inchaço nas pernas.
  • Em regiões mais sucetíveis à lesões é importante manter apoios, para que se alivie a pressão sobre a pele (figura 1.2, figura 1.3)
Figura 1.2 Almofada para joelhos
Figura1.3 – Almofada de apoio para os pés e tornozelo

 

 

 

 

 

 

 

 

Além do cuidado na prevenção de úlceras deve-se ter atenção especial ao quadro respiratório e circulatório, buscando prevenir inchaços e a formação de trombos, também a prevenção de pneumonias. Nesses aspectos alguns cuidados são essências:

  • Atuação do fisioterapeuta nos procedimentos de fisioterapia pulmonar, na orientação quanto à mudança de posições no decorrer do dia além dos exercícios para membros superiores e inferiores;
  • A utilização da cama Fowler (figura 2) ou cama hospitalar, este equipamento mantém o paciente na posição que favorece tanto a circulação quanto a respiração além de facilitar o trabalho da equipe envolvida especialmente na hora de retirar e colocar o paciente no leito. A cama hospitalar com rebaixamento e elevação do leito (figura 3) é mais adequada para favorecer o atendimento ao paciente e até mesmo na fase final de recuperação facilita para que o paciente saia sozinho da cama
Figura 2 – Posição Fowler

Figura 3 – Cama hospitalar com elevação do leito

  • Alguns pacientes necessitam ainda precisam que seja feita a aspiração das vias aeras, nestes casos é importante que se tenha disponível um aspirador cirúrgico portátil. Pacientes com traqueostomia é indispensável que se tenha sempre por perto o aspirador cirúrgico, nesses casos a aspiração libera a via aérea de secreções melhorando a respiração e evitando infecções respiratórias;

 

Figura 4 – Aspirador cirúrgico

 

Além das medidas apresentadas até aqui, outros equipamentos podem ser úteis no dia a dia do paciente em tratamento domiciliar, variando do quadro em que se encontra. Pacientes com certo grau de mobilidade, com possibilidade de levantar-se eventualmente da cama hospitalar podem utilizar a poltrona hospitalar (figura 5) como alternativa a cama para sentar e fazer as refeições, a própria mesa de refeição (figura 6) é outro móvel que ajuda muito no conforto do paciente para se alimentar.

Figura 5 – Poltrona hospitalar

 

 

Figura 6 – Mesa de refeição hospitalar

 

As dificuldades no tratamento domiciliar são grandes e demandam cuidados especiais, é preciso ter uma equipe de profissionais preparada para lidar com as necessidades específicas do paciente além de que e a própria família precisa estar ciente de todos os cuidados que o paciente necessita, também o ambiente e o mobiliário correto são fundamentais para que o tratamento seja eficaz tal qual seria em um ambiente hospitalar.

 

 

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *